Arquivo da categoria: Testemunho

Relato do parto

Vou contar um pouquinho como foi o parto da Juju. Mas antes de qualquer relato, quero dizer que não levanto bandeira para nenhum tipo de parto, acho que cada mulher deve saber o que é melhor para si. Sou absolutamente contra médicos que decretam o parto da mulher, sem dar a elas a chance de escolher, o que é cada vez mais comum no Brasil.

Minha última consulta com meu médico foi no dia 06 de março, eu queria parto cesáreo e ele já sabia da minha escolha desde o início. É um saco ter que ficar me justificando para pessoas que nada tem com a minha vida, mas como escrevo para minhas filhas lerem no futuro vou dizer por que escolhi a vilã, ops cesárea. (Já prestaram atenção, como as defensoras do parto natural fazem a cesárea parecer vilã?).

Eu decidi ter Juju por cesárea porque eu queria fazer laqueadura. Muitas pessoas tentaram me convencer que era muito mais fácil meu marido fazer vasectomia, já que nós decidimos não ficarmos grávidos novamente. Porque outros filhos a gente ainda pode ter, aquele sonho de uma adoção ainda está aqui guardadinho, mas grávida eu não vou ficar novamente. Outros meios contraceptivos também estavam fora de questão, já que a gravidez de Juju aconteceu, outra também poderia acontecer e correr o risco pra quê? Eu posso ir a montanhas-russas e pular de paraquedas para viver perigosamente, não é?

Como eu já tinha feito uma cesárea antes, eu já sabia tudo o que me esperava e já que eu estava sem plano de saúde e ia pagar o parto, o melhor financeiramente foi incluir a laqueadura no pacote. Porque nessa altura da situação, estando tudo bem com a nossa saúde, o financeiro foi o que mais pesou.

No dia da última consulta, marcamos a data do parto para dia 12/03/2012, segunda-feira. Confesso que eu já não aguentava mais, ficar grávida é muito bom, mas o final da gravidez é um tormento. Eu sentia dores em todos os lugares do corpo, sentada não estava bom, deitada não ficava bem e muito menos em pé. Eu não tinha posição, ficava agoniada e cheia de dores. Tudo isso com uma menininha de quatro anos, cheia de energia.

Quando chegou o dia, fui com marido no banco (aproveitar a fila especial) e depois fomos para a maternidade. Fizemos o procedimento para internação, fomos para o quarto e ficamos a espera do médico, que demorou horrores. Eu morta de fome, em jejum, esperando o médico. Todo mundo ligando perguntando se já tinha nascido e nada.

Também depois que ele chegou, foi tudo rapidinho, me levaram para o centro cirúrgico e a louca teve um ataque de pânico, chorava sem parar, hahahhahaa. Sério, hoje eu lembro e dou muita risada, onde eu arrumei tanta lágrima em um único momento? Nem eu sei, mas eu arrumei. O anestesista era muito legal e conseguiu me acalmar e aplicar a anestesia. Acho que meu medo era a anestesia, pois no parto da Mari doeu muito à aplicação. Dessa vez nem senti a agulha, uma beleza.

A anestesia pegou rapidinha e logo eu pude escutar aquele chorinho que nos tira um minuto do planeta. É o som mais lindo do mundo, não existe música alguma que supere a beleza do som do primeiro choro de um filho. Juju nasceu, linda, cabeluda e com uma potência vocal de fazer inveja, que garganta boa! Veio para o meu abraço, assim que saiu da barriga. E ficou quietinha me olhando, quando escutou a minha voz.

Eu vi quando a mediram e pesaram e sorri do quanto ela era grande. Acho que o tamanho explicava o tanto de dor que eu senti na gravidez. Cinquenta e cinco centímetros e três quilos e setecentos e vinte gramas. Uma bebezinha, que chegou para fazer minha vida ainda mais cor-de-rosa. Tem como não ser imensamente feliz?

O pós-parto também foi surpreendente. Não senti dor alguma. Uma maravilha! Foi um nascimento feliz para mamãe e Juju. 🙂

Este slideshow necessita de JavaScript.

Deixe um comentário

Arquivado em Juliana, Momentos especiais, Padecendo no paraíso, Testemunho

Relacionamento

A algum tempo eu venho querendo escrever sobre esse assunto, e a Dona Preguiça, alguém que estou abolindo do meu círculo de convivência, não deixa.

Três casais de amigos estão com problemas nos seus relacionamentos, e sempre somos procurados para aconselhar, ou mesmo para ouvir. E olha que nem eu e nem Cris somos especializados em relacionamentos, mas uma pessoa nos disse que nos vê como exemplo de casal, e que quer um relacionamento tão bom quanto o nosso. Me fez um bem danado escutar isso, porque as vezes eu tenho a sensação de não estar fazendo as coisas certas, principalmente quando eu e o Cris temos discussões bobas, porque é claro que nem tudo por aqui é 100%, mas a gente tenta fazer o melhor.

Uma vez assistindo ao programa do Huck, vi ele falando para um casal jovem que se eles estavam casando para serem felizes, era melhor que não se casassem. Porque você casa para fazer o outro feliz. E apesar do Huck não ser um cara cristão, eu vi verdade em suas palavras, porque a própria bíblia nos diz isso, em outras palavras, mas com a mesma verdade. Quando eu vejo o Cris feliz, quando ele me olha e seus olhos brilham, eu vejo que o faço feliz, e a minha felicidade vem em dobro.

Um dos casais que estão com problemas, casaram-se novos demais, porque ela engravidou, não tinham experiência, tiveram três filhos e de vez em quando acabam fazendo coisas pensando em si próprios e magoam um ao outro. Depois que a gente tem filho tudo muda, e o relacionamento muda demais, a grana encurta (filho gasta muito), os nossos projetos acabam ficando em segundo plano, tudo por causa do filho. E muitas pessoas não pensam nisso, antes de terem filhos, e os problemas acabam se acumulando de uma forma que só Deus para dar jeito na situação. Mas, para que Deus possa agir temos que dar espaço e seguir a vontade dEle.

O outro casal não é cristão. Um é sensível demais, e a outra é mais durona. Duas pessoas com personalidades totalmente diferentes e que nem sempre querem dar o braço a torcer. Eles também tem um filho. Mas, ainda não aprenderam a dividir, a doar e a perdoar.

O último casal é o mais crítico dos casos. Um homem que já se casou, separou e viveu uma totalmente boêmia por muitos anos. Uma mulher que engravidou aos 16 anos e o pai não assumiu a criança. Arranjou outro homem e engravidou novamente, viveu com ele, onde era maltratada e apanhava, vivendo em cárcere privado. Quando se libertou encontrou com esse homem boêmio, resolveram morar juntos. Viveram bem, o homem tentou mudar, assumiu os dois filhos dela, até que ela engravidou dele. Ele se casou com ela, deu o seu nome para ela. Mas, para ele tudo voltou a ser como antes. A duras penas, eles levaram a diante, ela aguentando o homem boêmio e adúltero, mas que a tratava bem e não deixava nada faltar aos seus filhos. Um dia, ela se cansa, pega as suas coisas e some no mundo, com seus três filhos. O que recebemos em nossa casa, foi um homem destruído por perder pela segunda vez uma família. Esse homem é um conhecedor da palavra de Deus, o lembramos de tudo o que ele aprendeu com Deus. Ele coloca o seu joelho no chão. E na mesma semana obtém novamente a sua família. Glória a Deus!

Três famílias diferentes, com histórias diferentes, mas uma única conclusão: quem criou a família foi Deus, a família é um projeto divino, e o inimigo de Deus não quer famílias felizes, e onde há espaço ele entra e destrói tudo.

Sabe, quando eu fiquei grávida me tornei um ser insuportável, e até hoje eu me pergunto como o Cris me aguentou, só tendo muito amor mesmo. Os hormônios fizeram uma bagunça comigo. E ele foi paciente e cuidou para que tudo ocorresse bem. Depois que Mari nasceu, as coisas não melhoraram como eu achava que iria melhorar. Eu me sentia cansada, incompreendida e não tinha a menor vontade de namorar. E foram meses assim. Não é qualquer homem que aceita isso. O bom foi que tudo isso passou e nos fortalecemos. Por isso, que as pessoas falam que ter um filho muda tudo, e muda mesmo. Nesses três casais conhecidos, o que percebo é que eles ainda não aprenderam a lidar com a chegada desses filhos. E nós contínuamos aqui ouvindo, aconselhando e orando por eles.

Nem sei porque escrevi sobre isso aqui, mas é uma coisa que estava me incomodando para falar. Família é uma instiruição divina, mesmo que tentem dizer que é instituição falida, eu contínuo acreditando na família, assim como Deus acredita, apesar do mundo dizer o contrário.

2 Comentários

Arquivado em Família, , Testemunho, Trocando experiências

Empresa

Em maio deste ano, Deus nos abençoou com um sonho antigo do Cris.
Quando eu conheci o Cris ele estava abrindo uma empresa com dois amigos. Que no final das contas não deu certo, os interesses dos três eram diferentes e não havia um acordo. No fim o Cris abriu mão e saiu da sociedade, e a empresa acabou com a saída dele.
Mas, o Cris sempre ficou com isso na cabeça. Ele sempre trabalhou como autônomo. E uma empresa aberta com CNPJ e nota fiscal foi ficando cada vez mais necessário. E eis que esse ano fomos abençoados por Deus e conseguimos viabilizar tudo.
Eu sempre reclamei da minha falta de tempo para cuidar da minha filha, do meu marido e da minha casa. Afinal, vida de mulher moderna é muito difícil. Como casal eu e Cris nunca fizemos divisões em nada, o que ganhamos e gastamos é dos dois, não existe o que eu ganho e o que ele ganha. Assim, nunca tivemos problemas com as nossas finanças. E sempre pedi para Deus que eu pudesse ter mais tempo para a minha família, sem ter que deixar de trabalhar, já que faço isso desde 14 anos de idade, e se eu parar tenho certeza que fico louca.
Deus ouviu as minhas orações, e com a abertura da nossa empresa, eu pude sair do meu trabalho com jornada de 44 horas semanais, para continuar trabalhando, mas fazendo os meus horários. Podendo me dedicar a tudo que gosto, e tendo tempo para isso. Deus é mesmo maravilhoso.
E temos prosperado nesse nosso caminho. Nada tem nos faltado. Deus está nos horando em nossos sonhos.
Se você tem um sonho, crie um objetivo para o seu sonho e estabeleça uma meta. E lembre-se pouca oração, pouco poder, mas, muita oração, muito poder. Ore sempre, quanto mais melhor.

Deixe um comentário

Arquivado em Cristiano, Eu, , Testemunho, Trabalho

Nossa filha

Com 11 semanas eu fiz uma ultra e o médico chutou que era uma menina, apesar de dizer para não sairmos comprando nada rosa. Com 16 semanas nós confirmamos com certeza de que teríamos uma menina.
O nome já estava escolhido desde que eu e o Cristiano tínhamos infinitas conversas pelo msn sem ainda termos nos visto pessoalmente. Engraçado como a gente conversava sobre como nossa vida seria divertida com a nossa Mariana. E era sempre assim que nos referíamos a nossa possível filha. E não é que Deus nos deu esse presente. Quem não tiver fé, pode não acreditar, mas essa é a verdade.
No dia 02/05/2007 às 19:05hs nós vimos o rostinho da nossa princesa pela primeira vez. Nossa cabeludinha linda.
Aqui tem o link do vídeo do nascimento dela.

Deixe um comentário

Arquivado em Cristiano, Eu, , Mariana, Testemunho, Vídeos

Gravidez

Depois que eu perdi meu primeiro bebê, fiquei meia psicótica em relação a gravidez. E pesquisei tudo o que é possível sobre esse assunto, acho que sou phd em gravidez, problemas hormonais e etc. Mas, vou te contar uma coisa, por mais que você saiba a teoria, pode acreditar a prática é bem diferente. Bem que todos falavam que nenhuma gravidez é igual a outra.
Bom, em agosto de 2006, eu e Cris sentamos e decidimos que era hora de engravidarmos novamente. Planejamos tudo. Nossa casa estava toda montadinha, e tinhamos condições financeiras para cuidarmos de um bebê. Eu também tinha encontrado uma médica excelente. Fiz uma consulta com ela que me pediu tudo quanto é exame, e me garantiu que não havia nada de errado comigo. Que na hora que eu quisesse era só parar de tomar o anti-bebê (apelido carinhoso para o anticoncepcional) e esperar.
Mais uma vez oramos ao Senhor e deixamos nas mãos dEle tudo. E não é que eu engravidei de primeira! Com 4 semanas eu já sabia que estava grávida. O duro foi segurar a ansiedade até fazer a ultrasonografia e escutar o coração do bebê batendo. E isso só aconteceu com 8 semanas.
Vou copiar um texto que escrevi depois da ultrasonografia.

DSC01635“Gentem, sabe bateria de escola de samba, que faz aquele barulhão e contagia, traz alegria, emoção, e deixa a gente com a adrenalina liberada???
Foi assim que me senti escutando o coração do meu baby. Batia tão rápido, num compasso tão gostoso, que me emocionou, me deixou alegre, e me contagiou totalmente. É só eu fechar os olhos que lembro daquele som maravilhoso. É assim que consigo descrever a emoção de escutar pela primeira o coração do meu baby.
Nós fizemos a ultra na semana passada, na quinta-feira. E o paizão foi comigo, e vi os olhos dele brilhando, quando o médico colocou aquele embriãozinho na tela pra gente ver. Nosso filhote já estava com quase 2 cm, medindo da cabeça até o bumbum. Digo estava, pq agora ele já deve estar bem maior, porque já estamos com 9 semanas e 2 dias. O tempo está voando!!! E sinceramente, nesse comecinho eu prefiro que seja assim, porque aí passa logo o medo das doze semanas, que dizem ser as mais complicadinhas.
Mas, falando mais da ultra, o médico mediu tudo, o coração batia a 182 batimentos por minuto, viram como é rápido, o médico falou que é normal, mas agora já vai começar a diminuir. Já vimos os brotinhos dos braços e pernas. É muito lindo ver a vida dentro da sua própria vida. Fica até difícil explicar e descrever, acho que só sentindo, só estando nessa posição é o quanto vemos que é magnífico, Deus realmente faz tudo perfeito. “

Deixe um comentário

Arquivado em Cristiano, Eu, , Testemunho

Nossa casa, nosso lar

Quando eu e Cris nos casamos, ficamos cinco meses morando com a minha mãe na mesma casa.
E fomos abençoados com a nossa casa. Nós nos mudamos em março de 2006.
Foi um período muito bom, arrumar tudo, comprar nossos móveis, eletrodomésticos, eletrônicos, decorar, colocar cada coisa em seu lugar.
Deus foi nos dando tudo, assim como tinha nos prometido meses antes. Trabalhos foram surgindo como bençãos, e tudo foi entrando em seus devidos lugares.
Tivemos muitos probleminhas, até que tudo estivesse certo. Mas, vencemos todas as batalhar.
Em Jesus somos mais que vencedores.
Com um ano de casamento, estavamos com tudo no lugar e recebemos mais uma benção!
Continua…

Deixe um comentário

Arquivado em Cristiano, Eu, , Testemunho

Meu primeiro filho

Como nem só de flores é a minha vida, esse é um capítulo triste da minha vida.
Eu tive uma gravidez que não foi planejada, mas que foi recebida com toda a empolgação possível.
Ficamos muito felizes quando eu fiz o teste e deu positivo. Na época eu estava sem cobertura de plano de saúde, e corremos e fizemos um plano para termos as consultas e exames necessários garantidos, mesmo sabendo que o parto não seria coberto pelo plano. Uma amiga me indicou o médico dela, que se mostrou o ser mais sem coração que eu já conheci na minha vida.
Na primeira consulta, ele me pediu uma ultrasonografia. Que eu fiz no dia seguinte. O médico que fez a ultra, não nos disse nada, mas pela cara dele, nós sabíamos que tinha alguma coisa errada. Retornei ao médico que nos garantiu que estava tudo certo.
Eu estava com dois meses de gravidez. Logo depois disso, comecei a ter sangramentos e cólicas fortíssimas. O médico me colocou de licença e repouso absoluto em casa. Eu não sabia muitas coisas sobre gravidez, mas a essa altura já deveríamos ter escutado pelo menos o coração do bebê. O que não aconteceu em nenhuma ultrasonografia. E nenhum médico foi capaz de me dizer o que isso significava, para que eu me preparasse para o que viria a seguir.
Com dois meses e meio, eu e Cris oramos ao Senhor juntos, e pedimos que Ele tomasse conta da gente. E abrimos mão, deixando que Deus fizesse o que fosse da vontade dEle. No dia seguinte eu abortei espontâneamente.
Fui para o hospital sentindo dores fortissimas e com sangramento. O médico que nos atendeu na emergência foi mais um anjo que Deus colocou no nosso caminho. Que nos acalmou, me medicou e disse que tudo o que deveríamos fazer a seguir. Eu fiz a curetagem, e fiquei dois dias no hospital. A pior experiência da minha vida. Tinha outras mulheres que também tinham perdido seus filhos. E mais outras milhares com seus bebês no colo. E isso me doeu muito. E mais uma vez aquela doença chamada depressão me pegou. E foi um período horrível.
Quando sai do hospital eu poderia ficar 15 dias em casa, mas preferi voltar ao trabalho e ocupar a minha cabeça. Com a ajuda do Cris e da nossa família, eu fui melhorando. Mas, uma cicatriz ficou em mim por tudo isso.
O meu primeiro filho, o filho que eu amei assim que soube que ele estava dentro de mim, não existia mais. Mas, um coração machucado, também é um coração fortalecido.
O que ficou na minha cabeça depois disso, era se um dia eu poderia ser mãe outra vez?

2 Comentários

Arquivado em Cristiano, Eu, , Testemunho