Arquivo da categoria: Sem pé nem cabeça

Sobre mudanças

Sempre achei que me adaptei bem as mudanças da minha vida, mas agora um pouco mais velha percebo que tenho tido mais medo das mudanças. Tenho curtido ficar bem mais na estabilidade, no meu cantinho, quietinha, do que colocar a cara no mundo sem saber o que vai acontecer. Não consigo mais me abrir para as pessoas, deixar com que elas entrem na minha vida e participem dela. Não confio mais nas pessoas, como já confiei um dia. Só não conseguia decidir se isso é bom ou ruim.

O fato é que ao mesmo tempo em que me sinto sozinha, isolada, eu gosto dessa solidão, desse isolamento. Eu me conheço mais, me amo mais. Conheço mais os meus, me dedico mais as eles, reconheço a dedicação deles para comigo.
Ontem, quando eu atualizava minhas listas de coisas que preciso, coisas que faltam para a chegada da Juju, os projetos para 2012, eu pensei: “Putz, preciso de ajuda”. E fiquei pensando em quem poderia me ajudar, constatei o que eu já sabia, não posso contar com ninguém. Sou eu e o Cristiano, sozinhos para darmos conta de tudo. Em outros tempos, eu teria ficado triste por não ter uma “amiga” ou um parente, dispostos a me ajudar, mas eu mudei. Esse fato não me incomoda mais. E fiquei feliz, por ver que nós podemos dar conta de tudo sim. Deus confiou a nós essa família, e se Ele fez isso é porque nós podemos!

A tranquilidade que sinto nesse momento de mudanças, só posso ser uma “coisa de Deus”. Ter paz em um momento tão turbulento é algo que só posso agradecer imensamente. E nenhuma pessoa, nenhum amigo, nenhum parente teria o poder para me acalmar e me tranquilizar sobre essas mudanças. Só Deus tem esse poder, estou aprendendo o que “descansar no seu esconderijo”.

 

Deixe um comentário

Arquivado em , Sem pé nem cabeça

Vamos atualizar???

Esse meu bloguinho anda tão abandonado, que estou cantando assim: “Eu tenho tanto pra te falar”, mas nunca consigo sentar, escrever e ilustrar tudo o que preciso.

Eu sempre gosto de manter a vidinha da Mari escrita e ilustrada por aqui, fico sempre imaginando que um dia ela vai crescer e vai curtir muito tudo isso. Sei que vou ficar frustrada se ela não curtir, mas pelo menos vou poder reler tudo e chorar de saudade e nostalgia. Dramática mode on.

Então vou pedir aos poucos, mais muito amados leitores que tenham paciência, pois vou utilizar os próximos posts (e dias) para atualizar sobre tudo o que aconteceu nesse período que não tenho postado. Tomara que eu me lembre de tudo.

Beijinhos!

1 comentário

Arquivado em Sem pé nem cabeça

Suicídio virtual

Vocês conhecem alguém que já cometeu um suicídio virtual? Não?

Sinto dizer que agora vocês conhecem, essa pessoa que escreve nesse blog se suicidou virtualmente.

O bom de ser virtual é que você pode voltar quando quiser né? Já pensou se o suicídio foi real? Não, é melhor nem pensar!

Vocês querem saber o que aconteceu?

Bom, acho que nem eu sei direito o que houve, talvez só o meu lado sanguíneo, hemorrágico, totalmente exagerado, louco, que não pensa em consequências falando mais alto.

A pressão no trabalho aumentou e eu não estava preparada para isso. Tentei ir levando numa boa. Mas acabou que não consegui, não soube separar a vida matrimonial da vida profissional. Uau, quantas vidas eu tenho mesmo? Sei lá, são muitas. Sob pressão as coisas tendem a ficar mais complicadas que o normal.

Na sexta-feira eu perdi a chave de casa, marido tinha deixado a dele dentro de casa, chegamos e não conseguimos entrar. Ele ficou brigando e enchendo a minha cabeça, sabe cena de filme que tudo vai enchendo e a cabeça explode num ataque de fúria incontrolável? Bem estilo “Um dia de fúria”, você já assistiram? É bem legal, só não é legal quando você está na pele do enfurecido. Só sei que, não sei como, eu arrumei um cabo de vassoura e estourei o vidro da porta, marido ficou com medo de mim e voltou para o carro, não sei como ele não ficou com medo que eu quebrasse o carro todinho também. Acho que ainda não estou louca a esse ponto, mas seguimos a vida. Eu consegui pegar a chave que estava pendurada no prego ao lado da porta e entrar em casa, aos prantos informo.

Quando me acalmei um pouquinho, liguei o note e vi uma mensagem de uma amiga no twitter que foi o fim do mundo pra mim. Deletei tudo o que pude no momento, o twitter foi o primeiro a dançar. Só para esclarecer está tudo bem entre mim e minha amiga, ela é uma querida e vai ter que fazer muito mais que isso pra eu largar do pé dela, hahahaha.

Hoje tudo o que aconteceu na sexta virou uma piada que morremos de rir ao lembrar, até trilha sonora para o meu dia de fúria eu ganhei do marido (é muito engraçada, vou tentar filmar ele cantando para vocês rirem comigo). Mas toda tragédia traz algumas consequências desagradáveis, como não conseguir novamente a sua conta do twitter e enfiar mais um “l” no seu nome (@monallisacris), ideia do marido, que até fez um twitter para me dar uma apoio moral, agora só falta ele usar, né?

Outra consequência foi que perdi Malu & Levi. É eu apaguei tudo que dizia respeito a eles, agora vou ter que tentar usar os backups que eu tenho, mas isso vai levar tempo e paciência, duas coisas que eu não tenho no momento. Então peço desculpas a quem acompanhava a estória, mas não tenho nenhuma previsão de continuação. Desculpem o transtorno.

 

7 Comentários

Arquivado em Eu, Sem pé nem cabeça

Síndrome de Peter Pan

Tudo bem eu sei que essa síndrome não existe e não está referenciada nos manuais de transtornos mentais, mas eu quero usar esse nome, então me dê licença.

Meu caso não chega a infantilismo, mas algumas vezes eu realmente não quero crescer. Preferia continuar sendo criança e ter as decisões de certas coisas nas mãos dos meus responsáveis e não ser A RESPONSÁVEL.

Talvez eu post entre na pauta de adultos de verdade e vocês já sabem que eu me considero uma adulta muito da fajuta. Mas o fato é que sou adulta e tenho responsabilidades de adulta e não estou fugindo dessas responsabilidades, o problema é a vontade que dar de fugir de vez em quando. Quando tenho essa vontade o que eu faço?

Choro!

Isso é um fato na minha vida, ser chorona sempre. Você deve pensar que sou uma fraca, mas quero te dizer que isso nada tem a ver com fraqueza, mas quando a pressão é muito alta e o peso nos ombros aumenta a única saída que vejo para não enlouquecer de verdade (sou só meio louca, tá?) é chorar.

O choro compulsivo, de chegar a soluçar, parece que vai acalmando os meus nervos e na hora que me acalmo, sempre vejo que o leão não é tão grande quanto aparentava ser e que posso ser Sansão, matar o leão e depois ainda me deliciar no mel. Mas chegar nessa conclusão sempre demooooooooora.

Pensando no Peter Pan, seria bom não crescer e continuar sempre sendo a “menina bonita vô” (que saudades eu tenho do meu velhinho), mas crescer é necessário e saber lidar com essa síndrome de Peter Pan também é necessário. Mas continuo afirmando que crescer dói demais. Eu exagerada??? Nem um pouquinho!

7 Comentários

Arquivado em Eu, Sem pé nem cabeça

Animação

Monalisa Cristina bora tirar esse desânimo de cima de você e se animar!

Daqui a seis dias é o seu aniversário, você vai completar 27 anos de vida, uma vida cheia de aventuras divertidas, com seus momentinhos tristes e seus momentões felizes, ebaaaaaaaaaaa!

Você está saudável, feliz, cheia de amigos, cheia de trabalho, com sua filha crescendo cada dia mais linda, esperta e inteligente, com seu maridão te amando cada vez mais e demonstrando isso de tantas formas lindas, com sua família seguindo o curso da vida. Não dá pra você ficar de bode, reclamando que tá cansada. Cansados todos estão! O mundo não pára pra você descer!

Esse ano foi difícil sim, mas você se projetou para que 2011 seja melhor. Os objetivos desse ano de certa forma foram alcançados, mesmo que não acontecido do jeito que você queria, mas aconteceu e isso é o que importa. Lembra-se que a ordem dos fatores não altera o produto? Então? Você sabe que não é você quem decide tudo e que tem coisas que não dependem de você. Você deixou tudo nas mãos de Deus e essa foi a forma dEle fazer as coisas, “aceite isso e seja grata!” (by Annie Adelinne).

Agora que você já se lembrou de tudo isso, levante-se e vá planejar a comemoração dos seus 27 anos. Lembre-se que a Cíntia vai estar por aqui, a Ju já se autoconvidou, a Beta te intimou a fazer alguma coisa, seus primos também já cobraram e você sempre adorou festas, comemorações e bagunça, muita bagunça!

 

5 Comentários

Arquivado em Eu, Sem pé nem cabeça

Abobrinhas

Hoje não vou falar de nada específico, só estou afim de bater papo sem compromisso mesmo, hehehe.

Eu sei que ando um pouco sumidinha do blog, mas as vezes preciso me manter mais reservada para continuar com minha fama “de fala sobre tudo, menos dela mesmo”. Engraçado que a Ju fez um post esses dias sobre isso no Fina Flor. Ju, te entendendo amiga, totalmente! Isso não quer dizer que somos superficiais ou que não sabemos defender nossas opiniões, isso só significa que preferimos usar os dois ouvidos para ouvir mais e a única boca que temos para falar menos! #sacou.

Ah, como não vou falar de nada específico, cês gostam do horário de verão? Eu fico totalmente perdida nesse horário e sei que só voltarei ao normal, quando o horário voltar ao normal. É estranho porque eu gosto quando o dia dura mais tempo. Aqui o sol só se põe às sete da noite, essa é a unica parte boa na verdade. Porque apesar do dia “durar” mais tempo, ele não dura nada praticamente. Quando pisco o olho o dia já acabou e não fiz quase nada do que tinha pra fazer. Fora que passo o dia todo com sono, porque não tenho sono a noite para dormir no horário comum, só consigo dormir depois da uma da manhã. Hoje bati o recorde e dormi as três da matina! Acreditam? E acordo cedo, sete horas já tô pulando da cama e agindo a vida.

Eu também preciso me organizar, sem organização o meu tempo está literalmente roubado. A Mari teve catapora e ficou uma semana inteira em casa, isso bagunçou com todos os meus horários. Depois veio a semana do dia das crianças com três dias sem escola, mais passeio e festinha da escola. Dia do professor que não teve aula. Aniversário de casamento, final de semana em comemoração. Mudança de horário. Hoje estou esgotada!

Mas apesar de todo esse desabafo sobre a falta de tempo, estou muito feliz! Sabe quando você está em paz consigo mesma? Família está bem, todos bem de saúde, eu e marido nos amando mais que nunca, tudo seguindo a mais perfeita ordem, apesar de toda a desordem aparente. É assim que me sinto! Sei que posso parecer contraditória, mas sou otimista ao ponto de ver o lado bom de todas as coisas.

Ah, esses dias li uma porção de livros, como é bom viajar nessas histórias, os personagens criam vida na minha mente e viram meus amigos de infância. Muito louco isso. Também continuo escrevendo Malu e Levi e mais uma outra história que estou amando escrever. Ainda não sei se vou postá-la no blog ou se vou tentar publicar, as minhas amigas que já leram, me incentivaram e disseram que está muito boa, estou acreditando nelas. A Cathi, personagem principal dessa nova história, está louquinha para aparecer por aqui, depois vou falar mais dela 😉

Também andei assistindo uma porção de filmes legais. Eu queria ter mais tempo para resenhar tudo que assisti, mas não consigo dispor desse tempo. Sou só eu que aprendo ótimas lições de filmes que assisto? Pode ser uma comédia romântica que eu aprendo alguma coisa. Sou normal?

Agora deixa eu ir trabalhar, que estou com um monte de coisas atrasadas para entregar e cliente pegando no pé é um saco!

Ps. Deve ter um monte de erro de português nesse post, mas nem dá pra reler o que escrevi, motivo: falta de tempo.Alguém já conseguiu a fórmula do Unibanco/Itaú 30 horas, porque 24 tá pouco!

2 Comentários

Arquivado em Eu, Sem pé nem cabeça

Eu ando meio assim…

…sei lá, entende?

Aviso aos navegantes: hoje o post é meio down, então se você quiser alguma coisa mais up, o X vermelho ali em cima funciona muito bem, ok?

Tem alguns momentos que eu fico assim meio esquisitinha, preferindo ficar calada. Sabe aquela coisa de ouvir mais e falar menos? É isso.

Talvez eu nem vá conseguir explicar isso aqui no blog, porque quando eu fico assim até para escrever fica difícil. Mas vou dizer que ficar introspectiva é bom. É sério!

É bom porque você passar a corrigir alguns defeitos que não consegue quando está muito extrovertida. Na maioria do tempo eu sou muito extrovertida, e acabo não observando algumas coisas em mim.

Você hoje num tá falando nada com nada Monalisa.

O bom senso me manda parar de escrever, mas antes que alguém ache que aconteceu alguma coisa especial, não aconteceu nada. Minha vidinha segue na mais perfeita ordem, cuidando de mim, da minha filha linda, do meu marido gostoso, da minha casa e do meu trabalho. Início de mês é sempre corrido, fazer fechamento do mês passado, emitir as cobranças do mês corrente, então fica difícil escrever no blog ou dar atenção a vida virtual, mas daqui a pouco essa correria passa e tudo volta ao normal.

Só estou escrevendo mesmo, para vocês saberem que eu estou bem. Eu queria falar de tantas coisas, dos livros que li, das pérolas da Mari, do meu emagrecimento, mas estou com os olhos fechando de sono, então vou dormir. Amanhã se tiver tudo mais tranquilo eu volto com capítulo novo de M&L, mas nem vou prometer isso, é só se der mesmo, senão só na próxima semana. Tenham paciência comigo, por favor.

Ah, eu não poderia esquecer de falar que recebi o livro da Alessandra – Sobre tudo que se deve guardar, guarda o teu coração -, ela me mandou com uma dedicatória linda e ainda com um DVD do culto de lançamento do livro. Eu amei! Depois vou fazer um post especial só para isso. Podem me cobrar.

Por hoje fico assim, mas sei  que vou dormir e amanhã acordarei com a corda toda falando pelos cotovelos.

12 Comentários

Arquivado em Eu, Sem pé nem cabeça