Arquivo da categoria: Nostalgia

Palavras de um futuro bom

Anda. Enquanto o dia acorda a gente ama
Tô pronto pra te ouvir aqui na cama
Te espero vamos rir de todo mundo
Nesse quarto tão profundo

Para. Repara, tente ver a tua cara
Contemple esse momento é coisa rara
Uma emoção assim só se compara
À tudo que nós já passamos juntos

Preciso tanto aproveitar você
Olhar teus olhos, beijar tua boca
Ouvir palavras de um futuro bom

Preciso tanto aproveitar você
Olhar teus olhos, beijar tua boca
Dizer palavras de um futuro bom

Anda. Enquanto o dia acorda a gente ama
Tô pronto pra te ouvir aqui na cama
Te espero vamos rir de todo mundo
Nesse quarto tão profundo

Para. Repara, tente ver a sua cara
Contemple esse momento é coisa rara
Uma emoção assim só se compara
À tudo que nós já passamos juntos

Preciso tanto aproveitar você
Beijar teus olhos, olhar tua boca
Ouvir palavras de um futuro bom

Preciso tanto aproveitar você
Beijar teus olhos, olhar tua boca
Dizer palavras de um futuro bom

Anda. Enquanto o dia acorda a gente ama
Tô pronto pra te ouvir aqui na cama
Te espero vamos rir de todo mundo
Nesse quarto tão profundo

Para. Repara, tente ver a sua cara
Contemple esse momento é coisa rara
Uma emoção assim só se compara
À tudo que nós já passamos juntos
Nesse quarto em um segundo

Preciso tanto aproveitar você
Beijar teus olhos, olhar tua boca
Dizer palavras palavras de um futuro bom

Preciso tanto aproveitar você
Beijar teus olhos, olhar tua boca
Ouvir palavras palavras de um futuro bom

Palavras… Palavras… De um futuro bom…
Palavras….

Preciso tanto aproveitar você
Beijar teus olhos, olhar tua boca
Ouvir palavras… palavras…palavras de um futuro bom

Composição: Rogério Flausino
Jota Quest

1 comentário

Arquivado em Nostalgia

1997 – Cap. Formatura

Já que eu contei a historinha do início do namoro da Ju e do Ró, vou continuar falando mais de 1997.

Esse foi um ano, como posso chamá-lo??? Um ano de muitas emoções digamos assim. Esse ano é cheio de histórias. Em 1997 eu estava com 13 anos, fiz 14 no dia 6 de dezembro. E no dia 12 de dezembro aconteceu a minha formatura de oitava série.

Puxa, que dia especial! Você deve estar se perguntando por que estou me lembrando disso tudo agora? Mas é que Cris comprou uma placa de captura para o pc e estamos passando umas fitas VHS para DVD, e uma das fitas é a minha fita de formatura. Rever tudo aquilo me trouxe enorme lembranças. *suspiros*

Eu estudei na Escola Pinheiro por oito anos, fiz todo o ensino fundamental lá, naquela época ainda se chamava primário e ginásio. Nossa tô velha (abafa o caso). Ali tive toda a minha formação para o mundo que se abriria a minha frente. Com excelentes professores, amigos que me acompanharam durante esses oito anos, a diretora Sônia, o Tio Antônio (zelador), o Tio Pedro (transporte) e tantas outras pessoas que me viram entrar naquela escola uma menininha de seis anos e sair como uma mocinha de 14 anos. Quantas lembranças boas eu tenho dessa época!

Acho que poucas pessoas tem a oportunidade de ficar tantos anos no mesmo colégio (lá em Sampa a gente chama escola, aqui no Rio eles chamam colégio). Eu tive essa oportunidade e olhando para trás vejo que ela foi muito bem aproveitada.

A festa de formatura foi tudo de bom! Nós também fizemos uma viagem para um acampamento em Brotas. Foi minha primeira viagem (de muitas, Tks God) só com amigos. É claro que tinham professores, intrutores e toda uma equipe nos coordenando, mas eu estava sem meus pais, sem irmãos, só com amigos! Tem idéia de como isso foi um passo para a minha indepedência? Eu já tinha viajado sem pais, mas para casa de parentes, nunca com amigos. Isso foi um máximo!

Talvez eu devesse escrever uma série chamada 1997, porque aconteceram tantas coisas comigo nesse ano. Eu comecei pelo final, que foi a viagem de Brotas e a formatura. Talvez porque esteja tudo bem vivo na minha memória, por causa do vídeo da cerimônia e festa. Como é bom essas lembranças!!! Dá uma saudade, mas como dizem “saudade é amor que fica”. Aqui ficou muito amor, pode acreditar!

Cris vendo o vídeo disse assim: “Nossa você é a mais animada!” Realmente eu não parava quieta um segundo, com um sorrisso estampado na face. Dançava e cantava em todas as músicas, totalmente elétrica. Com a sensação de “Dever cumprido! Agora bora para a próxima etapa!”

É assim que vejo tudo na minha vida, início e término de ciclos. Me reinventando e recomeçando.

Ah, 1997 eu não sabia que você seria tão importante na minha vida futura. Foi você, Sr. 1997, que me fez crescer!

Eu na formatura, viram a carinha de felicidade?

20 Comentários

Arquivado em Eu, Nostalgia