Arquivo da categoria:

Obrigada, Senhor!

Eu tenho tanto o que agradecer a Ti. As palavras até parecem mera formalidade diante a gratidão que trago em meu coração. Várias vezes eu te disse que não queria crescer, que estava doendo ser adulta, mas Tu sabes que isso passou. Hoje me reconheço como a adulta que Tu formaste, aceito essa realidade com um sorriso bobo nos lábios. Simplesmente porque sei que em Teus braços posso ser aquela mesma menininha. Tu tens confiado a mim tantas coisas, e hoje sei reconhecer quão insegura eu era por achar que não dava conta, mas o tempo todo o Senhor sabia que eu era capaz! Tu és o meu maior incentivador! Eu te amo!

Perdoe-me se em muitos momentos eu quis desistir de tudo, se eu não quis aceitar o que me oferecia, mas principalmente me perdoe pela minha incredulidade quando Tu me dizias que tudo daria certo. Hoje eu acredito! Acredito que tudo o que tenho passado é aprendizado que o Senhor, como o meu bom Mestre, tem ensinado. Acredito quando me diz que agora é a hora de plantar, estou aprendendo como é semear, a escolher o bom solo, separar as boas sementes, regar com a quantidade certa de água. Também estou aprendendo a usar os olhos da fé para enxergar a colheita, sei que ainda não é a hora de colher, mas já consigo me alegrar ao vislumbrar o futuro próximo.

É Papai, sua filha, muitas vezes tão impulsiva e negativa, está aprendendo. Ela já sabe que é melhor obedecer do que sacrificar e não dói mais crescer, agora é prazeroso crescer. Pois, o meu crescimento está em Ti. Obrigada, Senhor!

Anúncios

1 comentário

Arquivado em

Sobre mudanças

Sempre achei que me adaptei bem as mudanças da minha vida, mas agora um pouco mais velha percebo que tenho tido mais medo das mudanças. Tenho curtido ficar bem mais na estabilidade, no meu cantinho, quietinha, do que colocar a cara no mundo sem saber o que vai acontecer. Não consigo mais me abrir para as pessoas, deixar com que elas entrem na minha vida e participem dela. Não confio mais nas pessoas, como já confiei um dia. Só não conseguia decidir se isso é bom ou ruim.

O fato é que ao mesmo tempo em que me sinto sozinha, isolada, eu gosto dessa solidão, desse isolamento. Eu me conheço mais, me amo mais. Conheço mais os meus, me dedico mais as eles, reconheço a dedicação deles para comigo.
Ontem, quando eu atualizava minhas listas de coisas que preciso, coisas que faltam para a chegada da Juju, os projetos para 2012, eu pensei: “Putz, preciso de ajuda”. E fiquei pensando em quem poderia me ajudar, constatei o que eu já sabia, não posso contar com ninguém. Sou eu e o Cristiano, sozinhos para darmos conta de tudo. Em outros tempos, eu teria ficado triste por não ter uma “amiga” ou um parente, dispostos a me ajudar, mas eu mudei. Esse fato não me incomoda mais. E fiquei feliz, por ver que nós podemos dar conta de tudo sim. Deus confiou a nós essa família, e se Ele fez isso é porque nós podemos!

A tranquilidade que sinto nesse momento de mudanças, só posso ser uma “coisa de Deus”. Ter paz em um momento tão turbulento é algo que só posso agradecer imensamente. E nenhuma pessoa, nenhum amigo, nenhum parente teria o poder para me acalmar e me tranquilizar sobre essas mudanças. Só Deus tem esse poder, estou aprendendo o que “descansar no seu esconderijo”.

 

Deixe um comentário

Arquivado em , Sem pé nem cabeça

Livro de Joel

Sempre que aparecem na TV casos bárbaros, como aconteceu agora com a ex-namorada do goleiro Bruno eu me entristeço. Eu sou assim, não consigo aceitar e achar que isso é normal. Tem esses casos que se tornam públicos, como o dos Nardonis, ou da Suzana Richthofen, ou do João Hélio, da Daniela Peres e muitos outros que aparecem todos os dias nos noticiários. São filhos que planejam matam seus pais, são pais que matam seus filhos, são maridos que matam esposas, ou esposas que matam maridos e por aí vai. A vida não tem valor!

Sobre o caso de Eliza Samudio já ouvimos várias pérolas. Se entrar na tag Goleiro Bruno tem várias piadinhas sobre o caso. E a tag não sai dos TT´s mundiais, mas não pela morte de Eliza, mas sim pelas piadas envolvendo o nome do Bruno. Gente, isso tudo é muito triste. Uma pessoa morreu. E poderia ter sido eu ou você. Não adianta falar que é só uma brincadeira, pois uma vida foi tirada.

E você pode pensar: “Ah, mas a Eliza procurou o Bruno já tinha a ameaçado, ela já tinha feito uma denúncia contra ele”. Ela era uma vagabunda, prostituta, ou seja, lá o que falam dela. Não interessa o pecado que ela cometia. Deus ama o pecador! Ele condena o pecado, mas AMA o pecador. Isso é incontestável.

Ao abrir minha bíblia hoje pela manhã, Deus me levou a Joel, é um livro curtinho de apenas três capítulos. E na abertura do livro minha bíblia diz assim:

Joel

Você já sentiu sua via arruinada, como se gafanhotos houvessem comido todas as folhas verdes – e o que sobrou está seco, instável e terrivelmente frágil? Ou talvez você tenha assistido algum documentário na TV, mostrando mulheres pobres amontoadas à porta de casas abaladas por terremotos ou caminhando por alguma estrada empoeirada da África, com crianças agarradas às suas roupas maltrapilhas. Então, você orou: “Deus tenha misericórdia.” Aí se angustiou só de pensar: “E se fosse eu?”

O profeta descreve uma praga de gafanhotos não se apresentam amistosos, como aqueles que vivem nos jardins. Eles eram milhões, capazes de escurecer o céu por quilômetros, desfolhando árvores em quinze minutos. Joel inicia seu pequeno livro com um relato sobre a devastação de seu país. Diante de tal cenário, ele fala ao povo sobre o Senhor – sobre o plano divino para o futuro de Israel.

Os “gafanhotos” podem fazer com que você se sinta como se não tivesse futuro – ou não quisesse o futuro que a espera. Joel usa o exemplo dos gafanhotos para mostrar como será o “dia do Senhor” que está por vir (2.1). Mas, através de Joel, Deus diz que “não é tarde demais”. As pessoas ainda podem retornar a Ele de todo o coração (2.12).

Como se tivesse certeza de que o povo retornaria, Joel contempla as maravilhosas bênçãos vindouras. O Senhor promete as chuvas de outono e as de primavera, colheitas abundantes e jarras repletas de vinho e azeite (2.23,24).

Então, Joel olha bem à frente, para o futuro (nosso tempo) quando o Espírito de Deus é derramado sobre todo o seu povo: filhos, filhas, velhos, jovens, homens, mulheres. Que privilégio maravilhoso é estar entre aqueles que receberam o cumprimento daquela promessa!

Joel teve uma visão do que aconteceria mais adiante. Ele fala de um tempo quando “o sol se converterá em trevas, e a lua em sangue”, e de um “grande e terrível dia” (2.31). Ele fala de guerra, quando o povo vai forjar as enxadas, fazendo delas espadas (3.10) e de um dia de julgamento do Senhor (3.14).

As pessoas que sobrevivessem aos gafanhotos saberiam que aqueles seriam mesmo tempos terríveis. Mas, mesmo aqui, existe uma reafirmação de que “todo aquele que invocar o nome do SENHOR será salvo” (2.32).

Acontecimentos do tipo “gafanhoto” podem conduzi-la ao desespero – ou a acusar Deus. Quando ao futuro, Deus j[a o conhece. E você pode vivê-lo com o Senhor. O livro de Joel dá essa certeza.

Fonte: Bíblia de Estudo da Mulher – Editora Atos

Deus conhece todas as coisas. E mesmo ficando entristecida com isso, eu tenho a certeza que as promessas de Deus serão cumpridas. Sobreviveremos aos “gafanhotos e tempos difíceis”, porque TODO AQUELE QUE INVOCAR O NOME DO SENHOR SERÁ SALVO.

5 Comentários

Arquivado em , Notícias

Trabalho

Hoje o dia começou super agitado, muitas coisas no trabalho que não estão dando certo, talvez até por falta de organização minha. Mas, tudo bem já estou resolvendo essa parte. Não é fácil dar conta de tudo! Como não sou de reclamar e ficar de lamúrias, o melhor a fazer é arregaçar as mangas e trabalhar 😉

Só, que estava meio inquieta, corri para a bíblia e olha o que Deus falou comigo:

Ó vós, todos os que tendes sede, vinde às águas, e os que não tendes dinheiro, vinde, comprai, e comei; sim, vinde, comprai, sem dinheiro e sem preço, vinho e leite. Por que gastais o dinheiro naquilo que não é pão? E o produto do vosso trabalho naquilo que não pode satisfazer? Ouvi-me atentamente, e comei o que é bom, e a vossa alma se deleite com a gordura. Isaías 55:1-2

A minha bíblia diz assim:

À medida que as pessoas foram conhecendo mais sobre a importância das dietas para um viver saudável, cada vez mais especialistas em nutrição nos orientam a cedermos aos nossos desejos.

Até recentemente nos diziam para resistirmos à tentação: quando você quiser biscoitos com pedaços de chocolate, coma palitos de cenoura. Mas agora, você é encorajada a satisfazer seu desejo por chocolate – com moderação. Qual é a razão para essa mudança de pensamento? Os especialistas em dietas se basearam na natureza humana.

Quando você quer algo, deseja aquilo e somente aquilo. Nada mais irá satisfazê-la. Em seus esforços para manter uma dieta, se você não come o que deseja, passará a “beliscar” tudo o que encontrar e, finalmente, estará comendo o que queria no início. Você acabará ingerindo mais gordura e calorias que consumiria se simplesmente tivesse comido “aqueles” dois biscoitos.

O mesmo é verdade para as outras áreas da vida. Você quer satisfazer seus desejos, mas resiste à fonte óbvia de satisfação: Deus. Em vez de voltar para Ele, preenche seu dia com atividades que fazem pouco para extinguir sua sede de uma vida verdadeiramente abundante. Mas o Senhor promete que aqueles que o seguem serão mais que satisfeitos. O povo de Deus irá experimentar o melhor que Ele tem para oferecer. (Veja também Deuteronômio 8:10-20 e Eclesiastes 3:1-14).

Texto retirado da Bíblia de Estudo da Mulher – Editora Atos

E nesse mesmo texto, Isaías 55:6 – Buscai ao Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto.

Conhecemos muito esse versículo, mas às vezes nos esquecemos dele. Espero que esse post tenha edificado a você, assim como me edificou!

8 Comentários

Arquivado em , Trabalho

Ore pela sua pátria!

A oração pela pátria não é uma prioridade em muitas listas de oração, mas deveria ser. Quando o rei Salomão dedicou o templo, ofereceu a Deus umas das orações mais sublimes das Escrituras. Primeiro, ele reuniu o povo como se a dedicação do templo fosse um assunto sério de Estado – e era. Ficou de pé diante deles, levantou os braços para o céu e entrão se ajoelhou.

Salomão orou pelo seu povo, não apenas pelas pessoas presentes naquele dia, mas por todas as que iriam adorar naquele templo pelos próximos quatrocentos anos em que essa construção permaneceria de pé. Foi uma oração repleta de louvor: “Ó Senhor Deus de Israel, não há Deus semelhante a ti, nem nos céus nem na terra.” (2 Crônicas 6.14).

Mas Salomão também tinha uma visão realista de seu povo. Repetidas vezes ele disse: “Qualdo alguém pecar…” (2 Crônicas 6.22). Se alguém cometesse um crime… Ou pecasse e o Senhor mandasse uma praga… Se Deus ficasse irado o bastante para permitir que os inimigos os arrastassem dali… Em toda situação de ofensa Salomão implorou que, se o povo se arrependesse, o Senhor ouvisse suas orações e perdoasse.

A oração de Salomão serve como modelo. Você pode ajoelhar-se e segui-la palavra por palavra. Em cada item, você pode acrescentar descrições, necessidades e tentações peculiares à pátria. Deus respondeu à oração de Salomão com uma bela promessa. Talvez faça o mesmo com você.

“E se meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra.” (2 Crônicas 7.14).

Texto retirado da Bíblia de estudos da Mulher (Editora Atos).

 

Esses dias eu li algumas coisas sobre como tudo está de cabeça para baixo, os valores estão totalmente errados, o que era certo virou errado, e o que era errado virou certo. As pessoas não sabem mais o que é pecado, não medem as consequências dos seus atos, querem tudo para ontem, não importa em cima de quem terão que passar, para conquistar os seus objetivos. Solidariedade e compaixão, são palavras que estão sendo abolidas da vida de muitos. Deus espera que as suas ordens sejam obedecidas, que é amá-Lo e amar uns aos outros. Mas, a cada dia que passa a nossa nação está ficando distante de ordens tão simples. E nós devemos orar, sermos intercessores da nossa pátria.

2 Comentários

Arquivado em

Feliz

Sabe, ontem eu tava meia revoltada com algumas coisas que me incomodam profudamente. Gente, que acho que não tem nada para fazer e só sabem ficar falando mal dos outros.

Nesse mundo blogueiro o que mais existe é isso, e eu não vou dar crédito para quem faz esse tipo de coisa. As pessoas falam mau dos crentes por diversos motivos, ou porque existem pastores charlatões que “passam” a mão no dinheiro alheio, ou porque os crentes colocam uma capa de sou certo e o resto é errado, e fora um monte de coisas que ouvimos por aí.

Sabe, eu tenho maior orgulho de ser crente, porque ser crente para mim é crer em Jesus. Desde que aceitei a Jesus, tenho procurado seguir o que Ele nos ensinou, e acredito fielmente que não há melhor escolha e nem melhor forma de viver a vida. Mas, é claro que não é porque eu aceitei Jesus que não cometo erros, que não peco ou que sou santa. Nada disso! Eu erro muito, às vezes até machuco pessoas que eu amo, afinal eu continuo sendo humana e continuo aprendendo. Mas, a diferença é como eu levo esses erros, a capacidade que eu adquiri de pedir perdão e de perdoar, quando alguém me faz mal também.

A bíblia diz que colhemos o que plantamos, e nos meus 26 anos de idade, eu vejo isso muito bem. Hoje, eu colho frutos no meu trabalho, de coisas que eu plantei a 10 anos atrás. E isso, tem funcionado em tudo na minha vida. E apesar, de o mundo estar cada vez mais difícil de viver, eu levo uma vida boa, e sou feliz assim.

Não adianta você achar que Deus irá resolver todos os seus problemas, sem que você coloque a mão na massa. Deus intervem ao nosso favor sim, mas a escolha é sempre nossa, nós temos o livre arbítrio. Andar com Deus é maravilhoso, quando sentimos medo, Ele vem e nos diz “Não temas”, e com Ele não há o que temer. As lutas, são grandes, mas com Deus temos certeza que tudo dará certo de uma forma ou de outra. Mas, isso não significa que não vamos ter lutas, que não vamos ter um dia triste ou que não vamos errar.

As pessoas que se acham os “santos” deveriam parar de criticar os erros alheios e cuidarem da sua vida. Nessa semana se discutiu uma enormidade sobre o debate do Silas Malafaia no programa do Ratinho, por causa da PL122. Para mim, essa lei é absurda. Hoje, no meio convívio não tenho ninguém que seja homossexual, mas já tive amigos viados e me dava muito bem com eles. Eu condeno o pecado, não o pecador, afinal foi isso que Jesus ensinou: “Quem não tem nenhum pecado, atire a primeira pedra.” Aí, vem um monte de gente e mete o pau no Silas, porque ele tem avião, tem mais no sei o que, faz a teologia da prosperidade e etc e tal. Eu não defendo o Silas, afinal nem o conheço, o que ele tem e faz não me diz respeito, e é ele quem prestará contas de tudo a Deus. Mas, a causa que ele e outros como o Magno Malta estão lutando, não deveria ser todos?

Eu acho que esses “santos” deveriam parar de esquentar os miolos com quem está no mesmo lado deles. Tem tanta gente precisando de Jesus, de ouvir sobre Jesus. E ontem, eu estava chateada com isso. E hoje, eu abri outros blogs, que fazem exatamente isso, não param para falar mal dos outros, somente falam sobre Jesus, as experiências que vivem. E isso, me deixou profudamente feliz e grata a Deus.

3 Comentários

Arquivado em Blogosfera,

Relacionamento

A algum tempo eu venho querendo escrever sobre esse assunto, e a Dona Preguiça, alguém que estou abolindo do meu círculo de convivência, não deixa.

Três casais de amigos estão com problemas nos seus relacionamentos, e sempre somos procurados para aconselhar, ou mesmo para ouvir. E olha que nem eu e nem Cris somos especializados em relacionamentos, mas uma pessoa nos disse que nos vê como exemplo de casal, e que quer um relacionamento tão bom quanto o nosso. Me fez um bem danado escutar isso, porque as vezes eu tenho a sensação de não estar fazendo as coisas certas, principalmente quando eu e o Cris temos discussões bobas, porque é claro que nem tudo por aqui é 100%, mas a gente tenta fazer o melhor.

Uma vez assistindo ao programa do Huck, vi ele falando para um casal jovem que se eles estavam casando para serem felizes, era melhor que não se casassem. Porque você casa para fazer o outro feliz. E apesar do Huck não ser um cara cristão, eu vi verdade em suas palavras, porque a própria bíblia nos diz isso, em outras palavras, mas com a mesma verdade. Quando eu vejo o Cris feliz, quando ele me olha e seus olhos brilham, eu vejo que o faço feliz, e a minha felicidade vem em dobro.

Um dos casais que estão com problemas, casaram-se novos demais, porque ela engravidou, não tinham experiência, tiveram três filhos e de vez em quando acabam fazendo coisas pensando em si próprios e magoam um ao outro. Depois que a gente tem filho tudo muda, e o relacionamento muda demais, a grana encurta (filho gasta muito), os nossos projetos acabam ficando em segundo plano, tudo por causa do filho. E muitas pessoas não pensam nisso, antes de terem filhos, e os problemas acabam se acumulando de uma forma que só Deus para dar jeito na situação. Mas, para que Deus possa agir temos que dar espaço e seguir a vontade dEle.

O outro casal não é cristão. Um é sensível demais, e a outra é mais durona. Duas pessoas com personalidades totalmente diferentes e que nem sempre querem dar o braço a torcer. Eles também tem um filho. Mas, ainda não aprenderam a dividir, a doar e a perdoar.

O último casal é o mais crítico dos casos. Um homem que já se casou, separou e viveu uma totalmente boêmia por muitos anos. Uma mulher que engravidou aos 16 anos e o pai não assumiu a criança. Arranjou outro homem e engravidou novamente, viveu com ele, onde era maltratada e apanhava, vivendo em cárcere privado. Quando se libertou encontrou com esse homem boêmio, resolveram morar juntos. Viveram bem, o homem tentou mudar, assumiu os dois filhos dela, até que ela engravidou dele. Ele se casou com ela, deu o seu nome para ela. Mas, para ele tudo voltou a ser como antes. A duras penas, eles levaram a diante, ela aguentando o homem boêmio e adúltero, mas que a tratava bem e não deixava nada faltar aos seus filhos. Um dia, ela se cansa, pega as suas coisas e some no mundo, com seus três filhos. O que recebemos em nossa casa, foi um homem destruído por perder pela segunda vez uma família. Esse homem é um conhecedor da palavra de Deus, o lembramos de tudo o que ele aprendeu com Deus. Ele coloca o seu joelho no chão. E na mesma semana obtém novamente a sua família. Glória a Deus!

Três famílias diferentes, com histórias diferentes, mas uma única conclusão: quem criou a família foi Deus, a família é um projeto divino, e o inimigo de Deus não quer famílias felizes, e onde há espaço ele entra e destrói tudo.

Sabe, quando eu fiquei grávida me tornei um ser insuportável, e até hoje eu me pergunto como o Cris me aguentou, só tendo muito amor mesmo. Os hormônios fizeram uma bagunça comigo. E ele foi paciente e cuidou para que tudo ocorresse bem. Depois que Mari nasceu, as coisas não melhoraram como eu achava que iria melhorar. Eu me sentia cansada, incompreendida e não tinha a menor vontade de namorar. E foram meses assim. Não é qualquer homem que aceita isso. O bom foi que tudo isso passou e nos fortalecemos. Por isso, que as pessoas falam que ter um filho muda tudo, e muda mesmo. Nesses três casais conhecidos, o que percebo é que eles ainda não aprenderam a lidar com a chegada desses filhos. E nós contínuamos aqui ouvindo, aconselhando e orando por eles.

Nem sei porque escrevi sobre isso aqui, mas é uma coisa que estava me incomodando para falar. Família é uma instiruição divina, mesmo que tentem dizer que é instituição falida, eu contínuo acreditando na família, assim como Deus acredita, apesar do mundo dizer o contrário.

2 Comentários

Arquivado em Família, , Testemunho, Trocando experiências